O que está buscando?
Entrar

Destinos, o Homem Inventa o Homem apresenta obras inéditas de José Roberto Aguilar no Centro Cultural Fiesp

A partir de 15 de outubro, o multiartista expõe sua visão da civilização ocidental em narrativa pictórica e propõe ao visitante um jogo de imaginação. A entrada é gratuita

 Por: Agência Indusnet Fiesp
14/10/202015:28- atualizado às 15:37 em 14/10/2020

A mostra Destinos, o Homem Inventa o Homem, que estreia no Centro Cultural Fiesp no dia 15 de outubro, junto com a reabertura do espaço após o anúncio da entrada da cidade na Fase Verde da flexibilização, coloca em foco a “balbúrdia criativa” do pintor, escultor, videomaker e performer José Roberto Aguilar (São Paulo, 1941) – nas palavras dele próprio. Esta é a primeira exposição de trabalhos inéditos do paulistano desde 2010, quando apresentou quase simultaneamente 50 anos de pintura (no CCBB-SP) e Pentimentos (na Galeria Millan). A mostra fica aberta à visitação de quinta a domingo, das 13h às 17h, até 20 de dezembro.

O público poderá ver 69 obras distribuídas entre cinco espaços da Galeria de Arte do Centro Cultural Fiesp, incluindo 10 telas de grandes dimensões, que traduzem sua visão da civilização ocidental, desde os filósofos gregos, “que descobriram o raciocínio sem a interferência dos deuses” até uma possível ocupação de Marte em 2050, até uma segunda série, propõe ao visitante uma viagem a destinos imaginados pelo artista.

Em sua maioria inéditas, as obras produzidas entre 2019 e 2020, oferecem ao visitante uma panorâmica da pulsação única e original de Aguilar, que comemora seus 60 anos de atividade na pintura em 2020.

“As obras constituem, sim, uma narrativa”, confirma Aguilar. “Uma consequência da minha frustração de não ser escritor”. Figura emblemática de movimentos estéticos desde os anos 1950 – quando fundou o Kaos com Jorge Mautner e José Agripino de Paula – e pioneiro da videoarte, Aguilar manteve-se na vanguarda da arte brasileira mergulhando no que definiu como “realismo mágico ou figurativismo abstrato”. Sua produção inconfundível abraça a pintura gestual, a explosão de cor e a signagem imagética do suporte e da palavra. “Nessa mostra, acompanho o homem com H maiúsculo, homem-mulher, mulher-homem, que fique bem claro”, ressalta.

A História e os Destinos

A exposição tem duas seções distintas e sequenciais. Na primeira, o visitante acompanha âncoras da história do ocidente, na visão de Aguilar, em telas que representam os filósofos gregos, os artistas visionários, a invenção da dança, do divino, da máquina, os direitos dos cidadãos na Revolução Francesa, a igualdade de classes no socialismo, as máquinas da revolução Industrial, a desigualdade das classes sociais e das etnias, a “mulher que inventa a mulher”, o algoritmo e até o “homem colorido – o ideal humanista”. A história recontada parte da constatação de que “o raciocínio foi a matéria prima da invenção dos Homens” e de que “Raciocínio, Livre Arbítrio e Destino são as asas que nos fazem voar”. Ainda nessa sequência, ele chama de Devir um futuro em que aparecem a natureza e a ocupação de Marte.

Na segunda parte, com 35 telas de 1x1m, Aguilar propõe um jogo de personalidades/ personagens/arquétipos. E cada um dos trabalhos aguarda uma “dinamização” do olhar. O artista explica que “os destinos se transformam sempre dependendo de você, do seu livre-arbítrio, como tudo na vida. Se você os dinamizar, eles se tornam mais brilhantes. A passividade os torna mais foscos e quebradiços”. Cada quadro é identificado com um “destino” – como o do atleta, do amante dos animais, do erótico, do místico, do infantil, do carnavalesco. São as asas do lúdico abraçando o público – de novo, palavras de Aguilar – na “bagunça imensa desse caldeirão”.

 


José Roberto Aguilar produzindo uma das obras da mostra Destinos, o Homem Inventa o Homem. Foto: Karim Kahn

 

Protocolo de segurança

Sempre considerando a segurança e o bem-estar dos visitantes, colaboradores e prestadores de serviços, o Centro Cultural Fiesp segue um rigoroso planejamento desenvolvido a partir dos protocolos oficiais de segurança, e compartilhado por todas as instituições da Paulista Cultural (Casa das Rosas, Centro Cultural Fiesp, Instituto Moreira Salles, Itaú Cultural, Japan House São Paulo, Masp e Sesc Avenida Paulista).

Dentre as principais medidas, estão o horário reduzido de funcionamento do Centro Cultural Fiesp, bem como a redução para 30% da capacidade ocupacional dos espaços expositivos. A visitação será permitida apenas mediante agendamento online pelo Meu Sesi (www.sesisp.org.br/meu-sesi) e todos os visitantes terão sua temperatura aferida na entrada, sendo obrigatório o uso de máscara. Cartazes e sinalizações também foram dispostos em vários pontos do espaço para alertar o visitante sobre os cuidados em relação ao distanciamento e a higienização, além de dispositivos com álcool em gel.

O complexo cultural também segue o protocolo de biossegurança aprovado pela prefeitura de São Paulo, e realiza treinamento e disseminação de informações sobre a Covid-19 para os colaboradores que terão contato direto com o público. Além disso, um rigoroso cronograma de limpeza de espaços, superfícies e banheiros será seguido diariamente.

 

Serviço:

Exposição Destinos, o Homem Inventa o Homem

Período: 15 de outubro a 20 de dezembro de 2020

Horários: de quinta a domingo, das 13h às 17h

Local: Galeria de Arte do Centro Cultural Fiesp - Avenida Paulista, 1313 (em frente ao Metrô Trianon-Masp)

Classificação indicativa: livre

Agendamentos de visitas: www.sesisp.org.br/meu-sesi

Agendamentos de grupos familiares (até 4 pessoas) e preferencial: enviar e-mail para ccfagendamentos@sesisp.org.br

Entrada gratuita. Mais informações em www.centroculturalfiesp.com.br

 

Ficha Técnica: Idealização: José Roberto Aguilar | Expografia: Haron Cohen | Coordenação geral: Patrícia Galvão | Produção executiva e planejamento de produção: Ponto de Produção - equipe: Alexandre Menezes, Maurício Belfante | Identidade Visual: bvy arquitetos, Cássia Buitoni, Silvia Amstalden | Design do catálogo: Fernanda Sarmento e assistente Marco Kuttner | Projeto de Iluminação: Wagner Freire | Tradução: Christopher Mack | Revisão: Luciana Medeiros | Assessoria de Imprensa: Verbo Virtual | Montagem fina: Gala | Montagem de iluminação: Armazém da Luz | Construção expográfica: Metro Cenografia | Transporte: Fink Mobility | Seguro de obras: Affinité | Fotografias das obras: Nelsinho Aguilar | Realização: SESI-SP.

Leia também